Janeiro

05:07:00

Resumo do mês

Não foi um mês fácil, para além de ter parecido que foi um ano de 31 dias. O mês de Janeiro é como a típica segunda feira, é o primeiro, demora a passar e são poucas as pessoas que gostam que chegue. Mas lá está, tem de ser. Posso dizer que aconteceu tanta ou pouca coisa neste mês que não o sei classificar. Numa escala de Segunda Feira a 10, talvez um Domingo à noite: gostamos do sossego e do conforto mas a ansiedade do dia seguinte não permite desfrutar ao máximo. Passei maior parte do mês de cama porque tive doente, não foi agradável. Para além de ninguém gostar de estar doente, ninguém gosta de estar com fome e não conseguir comer. Apanhei herpangina (herpes no interior da garganta e febres altas) e então conseguir comer tornou-se uma verdadeira dificuldade. Andei uma semana e pouco a beber copos de leite com chocolate e mesmo assim... Lá está, sorte grande!



Obrigada

Obrigada à minha mãe por aceitar as minhas escolhas, por começar do zero. Obrigada a ela por manter-se fiel e não quebrar a promessa. Só não sei se lhe agradeça gostar tanto de alguém que foi embora. Outra vez. Como lhe digo isso?

Obrigada ao melhor amigo do mundo que aguenta dramas, não faz perguntas e fica horas ao meu lado em silêncio porque sabe que não há palavra melhor que “nenhuma” naquele momento. Obrigada a ele por não sair do meu lado, me apoiar e levar-me a jantar fora sempre que tenho desejos (miúda mimada). Único contratempo não ter ainda contado que acabou o que ele não queria sequer que tivesse começado.



Obrigada à entidade que me acolheu durante 7 meses, que me ajudou em todos os sentidos, profissionais e pessoais. À entidade que me ensinou e me deu mão nesta etapa que agora está a chegar ao fim. Ainda tenho uma escolha para fazer mas não sei bem qual decisão tomar. Tenho que balançar todos os parâmetros e qual a melhor situação para mim.



Momentos

Não sei se chore, se grite, se esqueça ou adormeça. O mês começou da melhor forma, fui intensamente feliz e ia deitar-me todas as noites a pensar “Que puta de sorte!” no bom sentido claro. Até que as coisas desmoronam porque não sabemos andar devagar. Metade da culpa é minha e é isso que mais me irrita. Eu cuidei, atirei-me de cabeça, mimei e desenvolvi uma bolhinha protetora e esqueci-me de ver todas as atrocidades que vinham juntas. Mas uma coisa é certa, aprendi que depressa ninguém vai bem. E se for para valer a vida vai trazer definitivamente. Com cabeça limpa, coração sossegado e uma enorme vontade de vencer. Só traga antes de eu meter na cabeça que não espero mais.



Filmes e Séries

Foi o mês para colocar em dia filmes e séries, apesar de não ter conseguido ver todas as séries que queria. Gostava de retomar a ver Daredevil mas já me perdi na história e não me apeteceu muito começar desde o inicio. 

Blindspot - Vi as três temporadas já disponíveis em apenas quatro dias. Viciei. Vi os dois primeiros episódios no AXN mas tive que ir pesquisar a série online porque fiquei ansiosa pelo episódio seguinte e olhem... cá estou eu viciada!

The circle - Podem ver a minha opinião sobre este filme na etiqueta "Filmes". Mas mais uma vez digo que promete mais do que cumpre. Gostei mas não adorei, de facto.

Coco – Ainda não fiz a review deste filme, mas eu adorei. Vou ser sempre a eterna apaixonada por desenhos animados, a criança que existe em mim permite-me isso. O filme em si transmite-nos as melhores referências e tirei dele das melhores lições de sempre. A banda sonora é excecional, pelo menos a meu ver, adorei a música “remember me” e em como ela se enquadra na história do filme e, sinceramente, da minha vida.



Música

Com o Carnaval a chegar as músicas brasileiras começam a ecoar em tudo o que é lugar e o Youtube enche-nos de novas músicas. O pior, ou o melhor depende da perspetiva, é que as músicas ficam na cabeça e damos por nós a cantá-las no nosso dia-a-dia, sem quês nem porquês. A Dona Maria e a Rabiola são aquelas que mais ficam na cabeça e dou por mim a cantá-las até a fazer as mais simples tarefas do quotidiano. Depois a Naiara Azevedo nunca desilude e o “Contacto bloqueado” e o “Avisa que eu cheguei” estão na minha playlist sem opção de saída.

O “Cuida bem dela” do Henrique e Juliano já me colocou mais vezes a chorar este mês do que aquelas que eu esperava. O coração às vezes amolece e há momentos que se rebaixa, infelizmente. E a manter a mesma dupla mantém-me presa com “Aquela Pessoa”.

A música que devia de ter ouvido antes sequer de me atirar do avião de cabeça era o “Apelido Carinhoso” do Gustavo Lima, é como saltar e não aprender antes do salto a abrir o para-quedas.

E depois tem o samba, o famoso pagode que faz o meu coração bater devagar e depressa ao mesmo tempo tal como o miúdo faz. Tanto me enche o coração como me deixa a refletir a madrugada inteira.

Buquê de flores” – Aquele pagode que pode não ser a reflexão da vida da maioria das pessoas mas que vicia, não sei se é a voz do Thiago, se é o ritmo ou mesmo o paleio da música. Mas cada vez que oiço a música faz-me querer ter um pretinho na minha vida. “Peguei no cavaquinho, fiz um samba bonitinho para te ver sambar”. Mostrei à minha mãe a música e quando ele canta: “Se liga que o pretinho quer-te conquistar” a minha mãe disse que eu já tive um que me quis conquistar eu é que não quis. Ri bastante. Obrigada mãe.

“Deus me livre” – Mas há algo melhor que um pagode que reflita a nossa vida? Mas há algo melhor do que um pagode que te faz dançar, refletir e tomar decisões na vida? “Te amo mas vivo a fugir desse amor”

Tá vendo aquela lua” – Façam-me uma declaração com esta música e eu caso-me “Deixe eu te dar um beijo eu vou mostrar o tempo que perdeu”.

Desencana” - Esta é aquela música que obrigava a maioria das pessoas a ouvir. Foda-se, é aprender a superar, e para o outro lado deixar andar, porque prender só por posse não é amor, nunca foi. “Desencana, facilita, deixe eu viver em paz”



Lá está, as músicas brasileiras a dar cabo da minha vida desde sempre. Este mês são o destaque. Mas confesso que voltei a ouvir Justin Bieber de novo, pelo menos com mais frequência. A “Home to mama” é das que mais tocam no meu telemóvel, e depois as mais antigas voltaram a ser relembradas “Fall in love”, “Be alright” e a “Nothing like us”.



Self Care



Passei maior parte do mês doente, e isso irritou-me tanto, prendida em casa. Parece que é nestes momentos que mais nos apetece sair. Comecei 2018 com um caroço na mama e pensei o pior de tudo, Deus me livrou do pior. E como se não basta-se apanhei herpangina  doença encontrada mais em crianças e bebés, mas eu tive que contrariar estatísticas. Fiquei a beber leite com chocolate durante duas semanas, até conseguir finalmente começar a comer sólidos, se vocês soubessem as dores que tive. Credo!

Pensei em pintar o cabelo ainda este mês de janeiro mas não consegui decidir pela cor. Estou indecisa entre o preto e o ruivo, já que já tive das duas cores e estou hesitante. A verdade é que só duas pessoas me responderam ruivo e as outras todas disseram para pintar de novo de preto que gostaram imenso. Confesso que também adorei mas há um motivo para eu não querer pintar de novo dessa cor. Eu não sei, enquanto não me decido vai ficando assim!


You Might Also Like

0 comentários